(IN)VISÍVEL

O jogo entre que vê e o que não se vê, questionando o conceito de realidade e o significado e conteúdo da imagem. A imagem formada por pixels, por grão, por luz, por escuridão, torna-se instável e ambígua nesses trabalhos.

 

(IN)VISÍVEL // Duração: 59’56
24/07 // 19h30-20h30 // SESC Ipiranga
28/07 // 9h-17h // SESC Itaquera (Container em looping)

NANOFANIA / Cao Guimarães / Brasil / 2003 / 3’39
Bolhas de sabão que explodem. Moscas que saltam. O pulsar de micro fenômenos cadenciados por uma pianola de brinquedo.

WYSIWYG / Lucas Bambozzi / Brasil/Holanda / 2012 / 22’18
As construções visuais refletem alterações da percepção cultural das paisagens e dos lugares-comuns da Holanda. Na medida em que as aparências cedem lugar ao envolvimento com os ambientes, as cenas fazem oscilar as certezas entre as coisas visíveis e as imaginadas, em detalhes subtraídos ou adicionados às imagens.

AN ACT OF LOVE / Arthur Tuoto / Brasil / 2012 / 7′
Partindo da apropriação de um filme pornográfico amador e de baixa resolução, o vídeo reconfigura suas imagens através de reenquadramentos, distorções, e outros processos plásticos. Desse modo, as imagens adquirem uma poética instável, em que o ato sexual e o desejo se transformam em objetos sombrios e enigmáticos, construindo uma política de gestos particular e ambígua.

A KNIFE ALL BLADE / Gabriel Menotti / Brasil / 2007 / 1’44
Vídeo produzido sem outro objeto senão a própria câmera, com as lentes tapadas. O que se vê é a tentativa dos algorítmos de criar imagens a partir do nada.

NEWLY RISEN DECAY / Giada Ghiringhelli / Grã-Bretanha/Suiça / 2011 / 8′
‘Decadência recém-ressuscitada’. No fluxo incessante estou, condenada a desmoronar. Eu não sou forma alguma. Nenhuma carne. Nenhuma coisa. E então o que resta? Tudo se move e nada permanece.

DEAD SEEQUENCES / Fabio Scacchioli / Itália / 2009 / 4’10
“Sequências mortas” é um vídeo sobre o desaparecimento de um quadro. Composto de 3770 frames pintados à mão.

ANOTHER VOID / Paul Clipson / US / 2012 / 10’05
Um vertiginoso estudo de movimento, cor, e escuridão, que continua uma exploração do processo de filmagem e sua estreita relação com a música.

ESTRELA / Dellani Lima / Brasil / 2011 / 3′
Primeira estrela que vejo realiza o meu desejo.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: