NORMAN MCLAREN

Nascido em 1914 na Escócia, Norman McLaren é uma das figuras mais significantes na animação mundial. Outros artistas criavam filmes; McLaren criava formas de fazer filmes. Ele desenhava, riscava e pintava imagens diretamente sobre o negativo virgem para suas “animações sem câmera”. Ele combinava fotografia em “slow-motion” e múltiplas exposições para revelar as formas criadas pelo movimentos dos bailarinos em ‘Pas de Deux’. Ele movia atores e objetos em ‘Neighbors’, e demonstrava a estrutura de formas musicais em ‘Canon’. Suas obras estenderam os limites do audiovisual e da percepção sensorial.

 

NORMAN MCLAREN: OBRAS SELECIONADAS // duração: 65’
27/07 // 10h-20h // SESC Carmo (Container em looping)
29/07 // 15h-16h // SESC Belenzinho

BEGONE DULL CARE / Norman McLaren e Evelyn Lambart / Canadá / 1949 / 7’48
Uma animação extraordinária em que Evelyn Lambart e Norman McLaren pintam diretamente na película. O resultado é uma interpretação do jazz tocado pela banda Oscar Peterson Trio, expressa em traços vívidos e coloridos.

NEIGHBORS / Norman McLaren / Canadá / 1952 / 8’06
No curta metragem vencedor do Oscar, Norman McLaren adota os princípios normalmente usados para colocar desenhos e bonecos em movimento. A história é uma alegoria em que duas pessoas que se enfrentam pela possessão de uma flor.

BLINKITY BLANK / Norman McLaren / Canadá / 1955 / 5’15
Este curta metragem experimental de Norman McLaren é um exercício lúdico, uma animação com linguagem dinâmica. Brincando com as leis da visão, McLaren faz imagens diretamente no filme, criando efeitos vibrantes.

A CHAIRY TALE / Norman McLaren / Canadá / 1957 / 9’53
Nesse curta metragem nomeado ao Oscar, uma cadeira, animada por Evelyn Lambart, se recusa a ser apenas um assento, forçando um jovem a realizar uma espécie de dança enquanto tenta se sentar.

LINES VERTICAL / Norman McLaren / Canadá / 1960 / 5’49
Este vídeo é uma experiência de “puro design”. Uma tentativa de McLaren para criar um padrão de arte inteiramente feito a partir de linhas retas gravadas diretamente na emulsão da película. O processo de uma animação com elementos básicos, forma e ritmo. O que se vê é apenas um feixe de linhas, constantemente girando, agrupando-se harmoniosamente na tela de acordo com a música.

PAS DE DEUX / Norman McLaren / Canadá / 1968 / 13’22
Neste curta metragem, Norman McLaren faz um estudo cinematográfico de uma coreografia do balé. Os dançarinos Margaret Mercier e Vincent Warren aparecem nus iluminados sobre um fundo preto, criando uma atmosfera de sonho e efeitos hipnóticos. Como se pode esperar, este filme premiado traz os efeitos inusitados e característicos de Norman McLaren.

SPHERES / Norman McLaren e René Jodoin / Canadá / 1969 / 7’21
Este curta metragem de Norman McLaren e René Jodoin é um jogo de movimento sobre um fundo azul céu. Pérolas translucidas flutuam leves por um panorama infinito, e ora se agrupam, ora se repelem, como a simulação de uma reação atômica em cadeia. A movimentação é embalada pelo pianista Glenn Gould tocando Bach.

SYNCHROMY / Norman McLaren / Canadá / 1971 / 7’27
O curta metragem de Norman McLaren exibe uma verdadeira sincronia entre imagens e som. Para fazer esse filme, McLaren elaborou novas técnicas óticas, que permitiram unir a imagem ao som do piano de maneira mais harmônica. McLaren utilizou técnicas óticas sincronizadas com a trilha sonora, de maneira que o espectador veja o que ouve.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: