23 / 07  SEG

UNIDADES SESC

OS ILUSIONISTAS: REYNOLD REYNOLDS & MIHAI GRECU // duração: 58’26
23/07 // 10h-20h // SESC Carmo (Container em looping)

 

SESCTV

ANGEL / Nung-Hsin Hu / EUA / 2005 / 1’35
O corpo humano representa o lugar que liga a vida terrena ao universo. Usando stop-motion para transformar uma banana, um ovo, o cordão umbilical e uma boneca em um ciclo de mudanças. O vídeo também questiona o modelo de diferença sexual que reduz homens e mulheres à separação por gênero.

A TALE OF NEGLECT / Arthur Tuoto / Brasil / 2010 / 2’12
Contrariando a ideia de um presente contínuo em que estamos inseridos a todo momento, o trabalho propõe uma imersão em um imaginário midiático e histórico que insiste em ser lembrado.

IF ONLY / Pila Rusjan / Eslovênia / 2009 / 1’52
A pele humana e mimetização como uma interface entre o mundo interior e exterior, entre a nossa mente e da sociedade. Como tornar nossos incessantes pensamentos lúcidos?

SPHINX ON THE SEINE / Paul Clipson / EUA / 2009 / 9′
Estas imagens se seguem uma após a outra, mas geograficamente abrangem milhares de quilômetros e grandes passagens de tempo entre cada corte. Noções de tempo, espaço e memória colidem dentro de um tecido visual de abstrações, paisagens, texturas, sobreposições e formas gráficas, para sugerir os primeiros momentos de sonho-sono.

CUSP / Christophe Thockler / França / 2011 / 5’45
‘Cusp’ visa o espectador, brincando com a maneira com que ele percebe e sente as coisas e o tempo. Prisões de gelo e casulos são uma metáfora para ilustrar a passagem do tempo, alterando nossas memórias e lembranças ligadas a objetos simples. Detalhes: 36 000 fotos, 40 blocos de gelo, 40 time-lapse de 4 horas.

TAPE GENERATION / Johan Rijpma / Holanda / 2011 / 2’39”
Rolos de fita adesiva passam por um longo processo de desenvolvimento e degeneração. A extrema lentidão no processo de vida desses objetos é revelada num espaço isolado onde tudo começa a partir de uma estrutura equilibrada simétrica.

HANDSOAP / Kei Oyama / Japão / 2008 / 16′
Uma animação calma mais ardente, sobre uma família com um filho adolescente. Sua insegurança, sua obsessão com seu corpo e a família desajustada são refletidas em detalhes e objetos que, ocasionalmente, levam a uma vida própria.

FRUIT SALAD / Liliana Velez / Colombia/EUA / 2009 / 3’44
Este vídeo documenta um processo doloroso, mostrado através de uma performance privada. O processo não parece doloroso, parece suave e silencioso, como a maioria das expressões idealizadas femininas.

O AMOR E O DESEJO PODEM TER EXCESSO / Dellani Lima / Brasil / 2007 / 3’07
Experiências afetivas com música & imagem.

L’HÔTEL DES VIES REPRODUCTIBLES / Pierre-Yves Cruaud / França / 2000 / 2’58
A vida privada de vários indivíduos é revelada na frente das câmeras assentadas nos quartos que eles usam. O filme interroga-se sobre o papel uma câmera que tem função de testemunha.

REC / Pierre-Yves Cruaud / França / 2002 / 4’50
Uma série de monitores de televisão é proposta ao olhar maquínico da câmera. Seu zoom a levará… até registrar a construção de uma paisagem eletrônica. A filmagem da signalética produzida pela câmera (em posição rec) é enviada à tela de controle.

SOMEONE BURNED DOWN THIS TOWN / Pedro Maia / Portugal / 2007 / 2’29
Vídeo musical para o projeto The Legendary Tiger Man. Explora o amador uso de uma Super 8 e da utilização de uma câmera amadora na vida familiar e do conceito do auto-retrato.

EN MENOS DE LO QUE CANTA UN GALLO / Guillermo Roel / França / 2002 / 4’36
O vídeo mostra imagens de dois metros de altas construções de cristal com tinta fresca, de repente devastadas. O resultado é uma explosão de cristais e tinta que, em câmera lenta, evoluem para uma composição abstrata em movimento. A imagem de um menino animado temporiza todo o cenário.

DIVE / Minna Parkkinen / Finlândia / 2001 / 5’30
A queda nas profundezas da tristeza, em seguida, de volta à vida. Este breve vídeo lida com o que uma pessoa observa em seu ambiente cotidiano, diante da perda de um ente querido. Algumas ocorrências normais ganham significado simbólico e algumas se tornam totalmente absurdas perdendo seu sentido.

LOST / Karø Goldt / Alemanha / 2004 / 5’
‘Lost’ é uma versão da transitoriedade de emoções. Cor, motivo, e trilha sonora complementam um ao outro para inventar uma história sobre perder a si mesmo ou outra pessoa, simultaneamente.