24 / 07  TER

UNIDADES SESC

BILL VIOLA: OBRAS SELECIONADAS DE 1977-1980 // duração: 62ʼ
24/07 // 19h-20h // SESC Pinheiros

NAM JUNE PAIK: OBRAS SELECIONADAS // duração: 74’
24/07 // 20h-21h30 // SESC Pinheiros

EXPERIÊNCIAS: STEINA E WOODY VASULKA & GARY HILL // duração 41’23
24/07 // 17h-18h // SESC Pinheiros

NARRATIVAS EM CAMADAS // duração: 58’51
24/07 // 20h30-21h30 // SESC Ipiranga

PAISAGENS ALTERADAS // duração: 55’43
24/07 // 16h-17h // SESC Pinheiros

EM CONSTRUÇÃO // duração: 64’15
24/07 // 10h-20h // SESC Carmo (Container em looping)

FEITO EM CASA // duração: 43’02
24/07 // 10h-20h // SESC Carmo (Container em looping)

QUADRO A QUADRO // duração: 60’40
24/07 // 15h-16h // SESC Pinheiros

(IN)VISÍVEL // duração: 59’56
24/07 // 19h30-20h30 // SESC Ipiranga

SESCTV

BURACO / Gisela Motta & Leandro Lima / Brasil / 2007 / 8’11
Imagens contrastantes de pequenas lojas foram capturadas em São Paulo e, em seguida, aplicada às fachadas de
Helsínque, de modo a questionar a nossa percepção através dos diferentes ambientes urbanos produzidos por essas
duas culturas.

ALMOST CONCRETE / Renata Padovan / Brasil / 2010 / 3’31
Fronteiras, limites, territórios, mapas, o real e o virtual. ‘Almost Concrete’ é uma reflexão sobre o espaço, seja ele construído, virtual ou o espaço percebido. O vídeo mostra imagens aéreas, através do Google Earth, da cidade de São Paulo, que com uma área de mais de 1.500 km² de extensão constitui um território impossível de ser apreendido como um todo. As coordenadas cartesianas, embora precisas, perdem seu significado tornando-se meros números.

VIVANTES LUEURS / Pierre-Yves Cruaud / França / 2003 / 10′
O dispositivo cinematográfico é colocado em ação e tenta despertar uma memória. Ocorre um tipo de parto da imagem.

TODAVIA / Alice Jardim / Brasil / 2011 / 2’22
Entre vias e transformações, um organismo vivo. A cidade a partir de outro olhar – cenas urbanas triviais – delineando geometrias imaginárias que entrelaçam fluxos reais.

FLICKERING / Kika Nicolela / Brasil / 2009 / 2’45
Da escuridão à luz, e de volta à escuridão; um auto-retrato emotivo.

RAWANE’S SONG / Mounira Al Solh / Holanda / 2006 / 7′
‘Rawane’s Song’ é um vídeo no qual a artista exprime sua recusa a falar sobre a guerra. É uma obra de ficção sobre fugir da realidade e encontrar-se. A trilha sonora discreta dá a abundante visualização de intervalos de silêncio. Sua arbitrariedade reflete o caráter aleatório de identidade que desafia suas raízes, como a música.

FALL IN FRAME / Sarah Pucill / Grã-Bretanha / 2009 / 18′
Em ‘Fall in Frame’ a materialidade do processo de filmagem é explorada dentro de um desempenho limitado que borra a separação entre o físico e a consciência. O filme termina onde começa, com uma folha em torno da câmera, fechando a imagem.

TIME PASSES / Nelson Henricks / Canadá / 1998 / 6’30
O tempo passa através de fotografias decorridas de uma observação interna da casa do diretor. Inspirada pelos escritos de Virginia Woolf como um meio de representar a temporalidade.

BORDERS AND BRIDGES / Lucija Mrzljak / Croácia / 2009 / 1’17
Animação feita com colagens e fotografias antigas encontradas em um arquivo, perto da ponte sobre o rio Sava, em Zagreb. O filme fala metaforicamente sobre reais fronteiras físicas e geográficas, bem como sobre os limites entre as pessoas e sobre as pontes que temos que atravessar para chegar do outro lado.

DATABASE LANDSCAPE / Fernando Velazquez / 2008 / 6’09
Edição generativa de 3000 imagens coletadas na cidade de São Paulo durante 3 anos.

♥++ / Clint Enns / Canadá / 2012 / 2’48
Um jogo de video game que está em algum lugar no universo do rpg baseado em texto, exploração digital e guia para a iluminação sexual.

IMMERSION I / Clément Martin / França / 2002 / 4’36
Um vídeo abstrato feito a partir de imagens e sons líquidos. Materiais comuns se transformam em meio líquido para dar nascimento a um ritmo sistemático.

HEAT SHOT 3 – MASKING FOR SERENE VELOCITY / Yeon Jeong Kim / Coréia do Sul / 2008 / 11′
Referindo-se a ‘Velocidade Serena’, obra-prima de Ernie Gehr, ele explora a velocidade e o movimento entre os sinais e memórias comuns.

TERRAINS GLISSANTS / François Vogel / França / 2010 / 10’12
Imagens distorcidas, tempo elástico: “terrenos escorregadios” nos oferece uma visão única e poética do homem em nosso planeta. Entre diário de viagem e desempenho, o filme traça as andanças de um indivíduo guiado por estranhas vozes interiores. De Nova York a São Paulo, ele desliza em um mundo pequeno, mas variado.

HOMAGE TO SOL LEWITT / Chee Wang Ng / EUA / 2010 / 2’42
Pegue uma bacia branca, coloque-a em uma estrutura rotatória, usando um marcador, desenhe a partir do fundo da tigela ao ligar a estrutura rotatória.

Anúncios